Há quem se debata com decisões como “cereais antes ou depois do leite”, e outros questionam-se sobre “viajar sozinho ou viajar acompanhado”. Se estás a pensar fazer uma viagem nos próximos tempos, provavelmente já passaste por esta fase. E se estás a ler este artigo, provavelmente, é porque queres fazer uma viagem com o teu grupo de amigos, mas nenhum deles pode, ou porque estás a considerar fazer uma viagem sozinh, mas precisas daquele boost inicial.

De todas as formas, ainda estás na primeira fase, o chamado pré-viagem, o que significa que é a altura certa para escolheres um seguro de saúde internacional à tua medida antes de partires à aventura.

mulher viajante com mala ao lado de um comboio verde

Viajar sozinho é para mim?

Viajar sozinho é daquelas experiências que todas as pessoas deveriam ter, pelo menos, uma vez na vida. Muitas pessoas têm por hábito descartar esta opção porque só a ideia de se lançarem ao mundo sem ninguém para amparar a queda as assusta, já para não falar do receio de “estar sozinho”.

É importante frisar: viajar sozinho não é sinónimo de estar sozinho. Quando viajas a solo, muitas das vezes só consegues estar sozinho se quiseres; e às vezes tens de querer muito.

grupo de amigos tiram uma selfie juntos

O ser humano é curioso e é movido pela necessidade. Naturalmente, as pessoas vão interessar-se pela tua odisseia, ainda para mais estando sozinho. E tu, por não teres ninguém a viajar contigo, vais sentir necessidade de falar com aqueles que estão ao teu redor. As amizades em viagem surgem de forma natural, mesmo que sejas uma pessoa tímida. Acredita! Ironicamente (ou não), é muito mais fácil fazeres amigos se viajares sozinho. Se não tiverem nada em comum, pelo menos têm o facto de serem viajantes e de terem escolhido o mesmo destino.

Não estranhes se, de repente, receberes um convite para ir almoçar ou até mesmo para te juntares ao plano de alguém. Em viagem não há grandes cortesias neste aspeto. Alinha!

Uma das grandes vantagens de viajar sozinho é, sem dúvida, a liberdade. Não estás dependente de ninguém, não tens de dar explicações a ninguém ou de discutir as opções em cima da mesa: tu decides. Podes ficar mais tempo numa determinada cidade porque te apetece ou mudar os planos à última da hora; podes andar ao teu ritmo.

homem sozinho no cume de uma montanha tira foto de braços abertos

A probabilidade de te sentires stressado é muito menor porque não tens de esperar por ninguém, nem dar uso à expressão amigo não empata amigo; és a única pessoa que toma as decisões.

Sabias que acabas por poupar mais dinheiro se viajares sozinho? A explicação é fácil: se és tu quem decide, tu é que geres o teu orçamento. Para além de que, se viajares em modo low cost, é muito mais fácil arranjar boleias, encontrar anfitriões no couchsurfing e até mesmo cama nos dormitórios.

mulher sentada num cais de madeira na margem de um lago

Ao viajares sozinho terás a oportunidade de te conhecer de uma forma muito mais íntima. Viajar expõe-te a situações inesperadas, facetas que desconhecias e medos e obstáculos que tens de ultrapassar. No fundo, vais aprender a estar contigo mesm que é algo que também assusta já que, no nosso dia-a-dia, não estamos habituados a estar única e exclusivamente connosco. O teu único foco será a tua felicidade e o teu bem-estar, o que fará com que te preocupes em maximizar todos os momentos e as experiências.

O autoconhecimento é dos maiores ensinamentos que se pode retirar deste tipo de viagem. Vais dar-te conta de que és muito mais forte do que pensavas, muito mais inteligente e capaz. Sair da nossa zona de conforto e procurar adaptar-nos a um novo ambiente é, já por si, uma forma de nos testar, não só a nós como também aos nossos limites. Com todas essas vivências, a tua confiança só pode aumentar!

Afinal de contas, quem é que tomou todas as decisões? Quem é que superou todos os desafios que se apresentaram?

homem tira selfie sozinho numa praia

Arrisca e experimenta viajar a solo. No final da viagem, podes chegar à conclusão de que não é o teu estilo de viagem, mas pelo menos tentaste e certamente trazes uma bagagem que não levaste contigo. E não, não estamos a falar da bagagem que despachaste quando chegaste ao aeroporto; estamos a falar da bagagem emocional e de todo o conhecimento sobre ti e sobre o mundo que trazes.

Se gostaste deste artigo, aqui ficam mais algumas recomendações:

 Autores: Gap Year Portugal

Conteúdo Relacionado