A história do “é preciso ser rico para se viajar” já é antiga. Viajar é uma atividade que, inevitavelmente, continua ligada à ideia de grande disponibilidade financeira, mas a verdade é que depende da perspectiva. Sim, é preciso dinheiro para viajar. Mas não, não é preciso tanto dinheiro como as pessoas pensam.

O pré-viagem obriga-nos a gastar algum dinheiro em coisas indispensáveis, como o transporte (voos, autocarro, comboio), a consulta do viajante ou o seguro, por exemplo. Para o último, já sabes que podes contar com a IATI seguros!

Dicas para poupar dinheiro em viagem

Em viagem, existem 3 grandes custos: o transporte, o alojamento e a alimentação. Não há como fugir deles, mas há formas de reduzir estas despesas imprescindíveis e é por esse motivo que hoje te apresentamos 4 formas de poupar em viagem:

Em vez de andares sempre de comboio ou de autocarro

… considera outras formas de transporte! Utilizar transportes públicos para nos movermos dentro e fora das cidades já é uma forma de poupar dinheiro. Isto, se considerarmos outras opções como táxi, Uber ou mesmo avião. No entanto, se quiseres poupar ainda mais, podes, literalmente, dar corda aos teus sapatos: anda a pé! Não há melhor forma de ficar a conhecer uma vila ou cidade. A bicicleta também pode ser a tua melhor amiga nestas situações. Não gastas dinheiro nenhum (se levares a tua própria bicicleta), e é sustentável! Para além disso, hoje em dia, a maior parte das cidades tem bicicletas de aluguer por um preço bem simpático.

Outro movimento que, cada vez mais, é comum por todo o mundo é o carpooling. Basicamente consiste na partilha de um veículo. O objetivo é reunir várias pessoas que vão para o mesmo destino e que dividem as despesas com o condutor. É mais rápido do que andar de transportes públicos e costuma ser mais barato.

Se estás disposto a experimentar algo mais radical, a custo zero, podes lançar-te à estrada à boleia!

rapariga com tranças pede boleia ao pé de uma estrada

Backpacker que é backpacker procura alojamento barato

Os backpackers (ou mochileiros, em português) estão a tomar conta do turismo por todo o mundo. Uma prova disso é o facto de a IATI ter um seguro exclusivo para mochileiros, e outra é a quantidade de hostels por cidade.

Em determinados países é possível encontrar uma cama, num dormitório partilhado, por 3€! No entanto, é importante ressalvar que o preço por noite depende muito dos países ou das cidades em questão. O preço médio ronda os 10/15€ e muitos incluem pequeno-almoço.

Trabalhar a troco de alimentação e estadia é uma ótima forma de poupar. Lê o artigo 5 razões para fazer work exchange e fica a par desta forma de viagem.

Outra forma de poupar na estadia que tem vindo a crescer é o house sitting ou pet sitting. Chamemos-lhe uma espécie de babysitting para casas e animais de estimação. A casa ou o animal ficam ao cuidado de sitters que têm como função cuidar deles enquanto o dono estiver ausente. Em troca, os sitters têm a possibilidade de ter alojamento gratuito durante esse tempo.

Se procuras opções a custo zero, existe o couchsurfing: uma plataforma que une pessoas que procuram alojamento e anfitriões que cedem o seu sofá aos mesmos. Mais do que isso, é uma comunidade de pessoas que junta viajantes com o intuito não só de obter alojamento grátis, mas também partilhar as suas histórias e experiências. Muitos viajantes consideram o couchsurfing como uma das melhores formas de conhecer pessoas e imergir na cultura local.

porta entreaberta com placa do couchsurfing

Diz adeus aos restaurantes e olá aos supermercados

Não é novidade que é muito mais barato comprar comida nos supermercados do que ir a um restaurante. Grande parte dos hostels dispõe de uma cozinha equipada para os seus hóspedes. O mesmo se aplica ao couchsurfing. Além de que há muitos supermercados com refeições prontas ou self-service com comidas frias, como saladas ou massas.

dois jovens comem batatas fritas no corredor de um supermercado

Ficarias espanto com a quantidade de coisas grátis que há para fazer

As atrações ainda ocupam uma fatia bastante grande no bolo dos custos. No entanto, em todas as cidades há coisas grátis para fazer. Desde deambular pela cidade sozinho ou com free walking tours, a concertos, noites de cinema ao ar livre ou exposições. O importante é fazer uma boa pesquisa antes de visitar o lugar porque, por vezes, há dias específicos para as atividades, especialmente as visitas a museus.

grupo de pessoas assiste às explicações de um guia freetour

Como podes ver, opções não faltam. Ainda achas que viajar é para ricos?

Autor: Gap Year Portugal

Conteúdo Relacionado