O couchsurfing é considerado uma das melhores formas de viajar de forma gratuita e de mergulhar na cultura local, segundo viajantes. Esta plataforma surgiu em 2003 e, hoje, conta com mais de 14 milhões de usuários, em 180 países.

Antes de aprenderes a arrasar no couchsurfing, não te esqueças de arrasar na tua segurança e contrata um seguro de viagens online com a IATI Seguros que tem opções que se adaptam a todas as tuas viagens.

mulher com portátil navega no site do couchsurfing

Mas afinal, o que é o couchsurfing?

Traduzindo à letra, o couchsurfing é “surfar em sofás”. Claro está que esta tradução não se aproxima nem um pouco à definição real, tirando a parte do sofá.

De uma forma muito sucinta, o couchsurfing é uma plataforma online que te permite dormir num sofá de um desconhecido, de forma gratuita. Há pessoas que têm um sofá livre ou até mesmo um quarto e não se importam de receber viajantes durante alguns dias. Mas mais do que uma plataforma, é uma comunidade que une viajantes de vários países. É preciso ter mente aberta, espírito de aventura, adaptação ao estilo de vida do anfitrião, mas, acima de tudo, estar disposto a partilhar momentos e histórias.

Para quem lê sobre couchsurfing pela primeira vez, pode parecer uma prática um pouco estranha. “Um desconhecido que dá casa a outro desconhecido, de forma gratuita, apenas a troco de ficar a conhecer o outro?”. É isso mesmo!

computador portátil com explicação sobre como funciona o couchsurfing

Como é que funciona?

O primeiro passo é fazer o registo no website do couchsurfing. Aqui podes ser anfitrião, ou seja, recebes pessoas em tua casa, ou hóspede que procura um lugar para pernoitar. Há quem seja os dois! Há ainda uma terceira opção que te permite encontrar viajantes nas cidades onde estás.

De uma forma ou outra, tens de elaborar um perfil. Tu já sabes que és fixe; está na altura de mostrar aos outros porquê.

– Investe tempo a elaborar o teu perfil

Um bom perfil é meio caminho andado para conseguir um anfitrião. Tens de preencher várias secções (não precisas de preencher todas se não quiseres!), entre elas uma acerca de ti, outra sobre a razão pela qual estás no couchsurfing, outra com interesses ou ainda uma na qual deves explicar aquilo que podes partilhar com os teus anfitriões.

– As fotografias são mais importantes do que parecem

O teu perfil não está completo enquanto não colocares pelo menos uma fotografia. No entanto, quantas mais fotografias, melhor. Dá prioridade a fotografias tuas com amigos e/ou durante viagens; mostra que tens vida social, que és real e que acaba por corroborar as informações que colocas sobre ti, especialmente a tua idade.

várias pessoas fazem couchsurfing numa sala de estar

– Referências, referências e mais referências

A maior parte das pessoas não escolhe a outra se não tiver referências. Por referências, entenda-se opiniões de outros relativamente a ti e à tua casa, (esta última se fores anfitrião). É crucial que sejam detalhadas e precisas para que se constituam o mais confiável possível.

No início é difícil obter referências, o que faz com que seja complicado conseguir hóspedes ou viajantes. Podes pedir a amigos teus que te escrevam referências pessoais ou que se façam passar por anfitriões ou hóspedes. Outra opção é ser verificado pela plataforma, por 52€. Por esse valor, tens direito a mensagens ilimitadas, apoio 24/7 e ficas com um perfil mais fiável. Não é obrigatório, mas ajuda!

– Mensagens e viagens públicas

No momento da escolha do anfitrião, não te esqueças de ler bem o seu perfil. Isto previne que te depares com alguém que não é a tua onda. Para além disso, se no teu pedido de alojamento mostrares que leste o perfil, ganhas mais pontos. É importante que a mensagem seja honesta e personalizada.

Envia mensagem para mais do que um anfitrião. No couchsurfing é assim: ao enviares múltiplas mensagens, aumentas a tua chance. No momento de decidir, ninguém vai ficar chateado por receber um “desculpa, mas já encontrei um anfitrião”. Mesmo que não fiques em casa dessa pessoa, se estiveres interesse em conhecê-la, podes marcar um meet up ou mesmo dividir a tua estadia por mais do que um anfitrião.

Por semana, se não fores membro verificado, só podes enviar 10 pedidos. Para contornar a situação, existem as chamadas “viagens públicas” que são pedidos abertos. No fundo, crias um texto apelativo que vai estar disponível para qualquer pessoa da cidade em questão.

grupo de amigos tira foto de costas enquanto observa o mar

O importante é o que te motiva a fazer couchsurfing seja a partilhar de experiências e de culturas e não o facto de ser grátis. O couchsurfing é mais do que uma simples plataforma de alojamento; é um estilo de vida, um modo de viajar, uma comunidade. Leva contigo alguns souvenirs, convida o teu anfitrião para uma bebida ou cozinha um jantar à boa moda portuguesa como agradecimento. Lembra-te ainda de que vais ficar em casa de outra pessoa e que é importante cumprir as suas regras e hábitos.

Autor: Gap Year Portugal

Relacionados