Quem não sonhou em viajar para o México e visitar as famosas pirâmides maias de Chichen Itza? Obviamente, o complexo arqueológico que se apresenta como uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno merece uma visita. No entanto, se a tua rota mexicana não passar pelo Yucatan mas pela capital, deves considerar visitar outro complexo: Teotihuacan.

Embora muitas pessoas pensem que a cidade de Teotihuacan foi construída pelos astecas, nada poderia estar mais longe da verdade. É verdade que os astecas habitavam a cidade, no entanto, esta já tinha sido construída antes da sua chegada.

Teotihuacan é um dos lugares mais notáveis a visitar perto da Cidade do México, por isso neste guia que vos trazemos da IATI, especialistas em seguros de viagem para o México, queremos levar-vos numa viagem ao passado e fazer-vos sonhar com pirâmides, aventuras e um mundo muito diferente…

Era uma vez…

balão de ar quente durante o por do sol em Teotihuacan

Visitar Teotihuacan em segurança

Vai-se a Teotihuacán para desfrutar e embeber a magnificência deste lugar espectacular. Por esta razão, e como o próprio Ministério dos Negócios Estrangeiros adverte, é essencial ter um seguro de viagem para o México que te proteja do princípio ao fim. Um deslize tolo ao descer a Pirâmide da Lua que pode causar uma pequena entorse pode levar a contas médicas elevadas. O IATI Mochileiro é o melhor seguro para este destino e, para além de uma grande cobertura para a tua saúde, também cuida de ti em casos como roubo, incidentes de bagagem, problemas com o transporte e mesmo durante a prática de desportos de aventura.

Não arrisques, desfruta desta grande viagem com a paz de espírito que mereces e obtém já o teu seguro:

melhor seguro de viagem para a cidade dos deuses

Um pouco de história sobre Teotihuacán

Há muitos, muitos anos… Um povo do qual nada é conhecido por certos habitantes da cidade que hoje conhecemos como Teotihuacán. Poderiam ter sido os Totonacs, os Otomi ou mesmo os Nahua. Em qualquer caso, entre os séculos III e VII d.C., esta cidade viveu um período de grande apogeu e esplendor.

A construção da cidade começou com a Pirâmide do Sol no ano 100 a.C. e cresceu e expandiu o seu território até se tornar uma das povoações mais importantes da Mesoamérica.

O local era imbatível, num vale luxuriante e fértil que os colonos agrícolas souberam explorar. No entanto, é curioso ver como o local se tornou árido e nu, onde os recursos foram esgotados e as riquezas do vale espremidas ao máximo.

Esta sobre-exploração levou ao declínio e ao que se acredita ter sido o colapso da cidade, que se manifestou sob a forma de seca e um incêndio que a assolou e levou ao seu saque e abandono. E foi assim que foi encontrado, muito mais tarde, pelos mexicanos, o nome oficial do povo que normalmente conhecemos como os astecas.

Ficaram tão impressionados com a descoberta da cidade que lhe deram o nome de Teotihuacán, que em Nahuatl significa “lugar onde os homens se tornam deuses” ou “cidade dos deuses”. Eles pensavam que Teotihuacan tinha sido construído pelos quinanatzin, deuses gigantes que procuravam assegurar a existência do mundo.

Mais tarde, quando Hernán Cortés chegou à região, os astecas falaram-lhe das suas próprias crenças e lendas, dando origem a muitos mal-entendidos sobre Teotihuacán, uma vez que conheciam a cidade quando esta já tinha sido abandonada.

pessoas a subir à piramide da lua

Teotihuacan, uma cidade de homens e deuses

É isso mesmo. A cidade dos deuses, ou o que os astecas pensavam ter sido construído pelos deuses, era uma cidade povoada por homens. Mas eram homens que se consideravam espíritos de seres da natureza.

Tanto quanto nos foi possível investigar, os habitantes pré-Aztecas de Teotihuacan viveram em harmonia com o universo, adorando os deuses da natureza. Consideravam-se espíritos animais, e durante as cerimónias até se podiam transformar em animais selvagens. A utilização de elementos psicotrópicos para fins religiosos ou terapêuticos desencadeou a entrada neste transe e permitiu-lhes alcançar um estado espiritual em que o mundo era percebido de uma forma diferente.

As drogas fazem parte das cerimónias sagradas na Mesoamérica há mais de 5000 anos. O homem é deus, ou torna-se deus, ou fala com deus ou sente deus. E assim foi também em Teotihuacan, a cidade dos deuses.

vista de baixo de uma piramide na cidade dos deuses

Visita a Teotihuacan

Uma visita a Teotihuacan é uma das mais belas experiências em torno da capital do México. É uma experiência de aprendizagem e uma viagem através da história das pessoas que aí deixaram a sua marca, começando pelos pré-Aztecas e terminando nos dias de hoje. Um lugar que viu florescer e morrer culturas e que deixou testemunho disso num complexo arqueológico sem paralelo, que é ainda hoje o mais visitado do país.

Embora o maior destaque de Teotihuacán sejam as pirâmides, todo a envolvência é muito interessante. Algumas das habitações antigas estão preservadas, algumas já tinham sistemas de drenagem e eram muito maiores do que uma casa de família seria hoje. De facto, considera-se geralmente que Teotihuacan era uma sociedade tão próspera que não só a elite tinha acesso a grandes habitações e, de facto, o arqueólogo Michael Smith argumenta que Teotihuacan pode ter tido os residentes mais prósperos de qualquer cidade do mundo antigo. De facto, o mesmo arqueólogo argumenta que a riqueza em Teotihuacán foi distribuída uniformemente por toda a população e que pode ter sido a primeira cidade socialista da história.

pessoa junto a piramide na cidade dos deuses no méxico

Para além das habitações, ao visitar Teotihuacan, destaca-se o Palácio de Quetzalpapalotl, um lugar que poderia ter funcionado como a residência da elite de Teotihuacan. O seu nome significa “borboleta preciosa” e deve-se às colunas talhadas que delimitam o pátio central do edifício.

Este palácio é acedido a partir da chamada Calzada de los Muertos, que era a principal via da cidade, tanto para fins administrativos como religiosos. Este nome foi também, mais uma vez, dado pelos astecas, que erradamente pensaram que as pirâmides de ambos os lados da estrada eram túmulos. A Calzada de los Muertos estendia-se desde a entrada sul de Teotihuacán até à Pirâmide da Lua, de frente para o sol nascente em várias datas do ano relevantes para os habitantes.

A Pirâmide da Lua é rodeada por 13 plataformas que simbolizavam os 13 meses do calendário solar e eram utilizadas para adorar os deuses em cada época do ano. A pirâmide foi outrora pintada de vermelho e dedicada à deusa Chalchiuhtlicue, que ocupa um lugar especial na Plaza de la Luna, que se encontra m frente à pirâmide. Está esculpida a partir de uma única pedra grande e embora a face seja pouco visível, muitos detalhes do resto do corpo ainda são distinguíveis.

A Pirâmide do Sol, por outro lado, é muito maior e representa o eixo do mindo, onde o céu e a terra se ligam. Tem 20 andares, o que lhe dá uma altura de 63 metros. As enormes dimensões fizeram dele o maior edifício da Mesoamérica na altura.

vista de cima de ruinas da cidade dos deuses

Embora pouco se saiba e muito ainda seja desconhecido, porque não há registo de escritos pré-Aztec, Teotihuacán tem suscitado interesse, debate e paixão desde a sua descoberta. Nada foi casual na cidade dos deuses. A posição dos templos, as pirâmides, o seu alinhamento com o solstício de Verão e as Plêiades… Muitos mistérios mas apenas uma história…

Para além de aproveitares ao máximo Teotihuacan, queremos também ajuda-te a tirar o máximo partido deste incrível país. É por isso que preparámos estes três guias detalhados para te ajudar a organizar a tua viagem, não os percas!

melhor seguro de viagem para a cidade dos deuses