Viajar de comboio é umas das formas mais relaxadas, românticas e seguras de percorrer e conhecer regiões e países. Há comboios que atravessam desertos, rios, lagos, florestas e montanhas.

A IATI Seguros leva-te a bordo de vários comboios pelo mundo fora, da Suíça à Austrália, de Myanmar ao Canadá. Contrata o teu seguro de viagens e prepara-te para conhecer as melhores paisagens do mundo.

5 viagens de comboio a não perder

Glacier Express – Suíça

pessoas dentro do comboio glacier express

A Suíça é conhecida pelos relógios, chocolate, queijo e paisagens idílicas. Nada melhor do que entrar no comboio para explorar as montanhas, os majestosos Alpes Suíços e vales verdejantes que fazem do Glacier Express de Zermatt para St. Moritz uma das viagens mais bonitas do mundo.

A viagem começa perto de Matterhorn e segue pelas montanhas, ao longo do Vale do Reno com vistas dramáticas, no chamado Desfiladeiro do Reno. Este trajecto liga Zermatt a St. Moritz, passa por mais de 90 túneis e quase 300 pontes e vai deixar-te de boca aberta com os lagos imaculados e bonitas povoações.

As janelas panorâmicas do comboio permitem ver a paisagem em todo o seu esplendor e até existe descrição áudio dos locais por onde vais circulando. Na Primavera, no Outono (ou em qualquer altura do ano) é imperdível.

TranzAlpine – Nova Zelândia

comboio tranzalpine na nova zelandia

Que as paisagens da Nova Zelândia são de sonho, todos sabemos. Porém, é preciso saber como apreciá-las e a bordo do TranzAlpine é, provavelmente, a forma mais confortável, segura e fantástica. Os assentos são reclináveis, as janelas extensas e o bar está sempre aberto.

O TranzAlpine viaja pela Ilha do Sul da Nova Zelândia, desde Christchurch através das planícies de Canterbury, ao longo do rio Waimakariri, depois “fura” as montanhas através do Arthur’s Pass e, finalmente, florestas até chegar a Greymouth. Em cerca de cinco horas, as janelas do comboio – e os teus olhos – vêem passar zonas agrícolas, montanhas, vales, quedas d’água e pontes de aço que desafiam desfiladeiros profundos.

E se tiveres gostado desta viagem, podes fazê-la de novo no sentido contrário – no mesmo dia.

Rocky Mountaineer – Canadá

panoramica d comboio rocky montaneer e de montanhas com neveFica-se arrepiado apenas de ver apenas as imagens dos locais por onde passa o Rocky Mountaineer. Este é o trajecto mais bonito do Canadá e um dos mais cénicos do mundo, viajando pelas Montanhas Rochosas, entre Vancouver e Banff.

A viagem começa na larga cidade litoral de Vancouver, seguindo pela região da Colúmbia Britânica, com paisagens de cortar a respiração, incluindo montanhas cobertas de neve e lagos cintilantes.

As carruagens do comboio são confortáveis e das janelas não irás ter qualquer problema em apreciar tamanha beleza natural. Esta viagem é irresistível.

The Ghan – Austrália

planicie australia por onde passa o comboio the ghan

É uma das mais viagens mais longas do mundo, mas nem por isso menos bonita. Embora em momentos seja monótona, a atracção é poder atravessar uma grande parte do território da Austrália de forma confortável. Se estás a pensar em fazer esta viagem, temos um artigo sobre o que levar na mochila numa viagem longa que te pode ajudar.

Vais precisar de 54 horas – a uma média de 85 km/h para percorrer quase três mil quilómetros (para ser exacto são 2979 km). A viagem, de quatro dias e três noites, começa em Darwin e pára apenas em Katherine, Alice Springs e Coober Pedy, antes de chegar ao destino final: Adelaide.

The Ghan é um comboio distinto de todos os outros – numa viagem muito longa – que permite ter uma noção da imensidão e solidão do interior da Austrália. The Ghan atravessa o Red Centre e o Outback da Austrália, primeiro através da costa tropical do Território do Norte, atravessando uma parte desértica, até avistar planícies férteis.

O símbolo do Ghan é um camelo, em forma de homenagem aos aos pioneiros afegãos que atravessaram a região.

Mandalay – Hsipaw – Myanmar

viaduto de comboio goteik no myanmar

Ao contrário dos restantes comboios desta lista, esta viagem oferece simplicidade e cumplicidade. Primeiro, porque os comboios em Myanmar são velhos, com pouco conforto, mas autênticos.

A prova disso é que este comboio não está baptizado para o passeio de turistas. É um comboio regular utilizado pelo cidadão comum, para transportar frutas, vegetais ou outros bens, para ir à cidade tratar de negócios ou simplesmente para rever a família.

Atravessando campos agrícolas, pastagens, aldeias e povoações quase fantasma, o comboio entre Mandalay e Hsipaw demora 15 ou 16 horas num ritmo cadente, sem pressas. O momento mais ambicionado pelos turistas que aí viajam é quando se passa por cima do viaduto metálico conhecido como Gokteik.

Autor: Lugares Incertos

Conteúdo Relacionado