Viajar pela Colômbia é mágico, mas quem vive lá diz que é ainda melhor, principalmente devido a tudo aquilo que envolve o país: música, pessoas, costumes, tradições e… a fruta. E hoje vvamos levar-te numa rota de sabores, cores, cheiros, texturas e paladares pelas frutas da Colômbia. Embarca connosco e não te esqueças de, antes de pensares em ires saborear alguma destas frutas, ires procurar o melhor seguro de viagens online na IATI seguros.

10 frutas a não perder na Colômbia

mulheres colombianas com fruta na cabeça e vestidos tradicionais

Podes apanhar algumas frutas diretamente da árvore, podes comprá-las nas centenas de mercados que existem pelo país (e a um preço muito económico); podes consumi-las naturalmente ou podes colocá-las em saladas, doces, refrescos… E o melhor de tudo são os benefícios que têm para a tua saúde (nutricionalmente falando). Enquanto te damos a conhecer algumas destas frutas, vai decidindo como e onde irás preferir comê-las, na tua próxima viagem à Colômbia.

1 – Tomate de árbol

varios tamarilhos cortados a meio

É uma fruta conhecida também por tamarilho e tem muitas semelhanças com o tomate normal. Apresenta uma tonalidade de cor que varia entre o vermelho, o amarelo e o laranja. A parte de fora é dura e carnuda, e no centro da fruta há uma textura macia e gelatinosa, onde são armazenadas as sementes do tomate de árbol, que também são comestíveis. É uma fruta que podes comer durante todo o ano.

É mais doce que o tomate (diz-se que o sabor é qualquer coisa como um tomate e um kiwi juntos), e pode ser consumido cru (podes adicionar sal ou açúcar, depende do que mais gostares), ou em sumos, sobremesas ou compotas.

É rica em vitamina A, C, F e em magnésio, ferro, fósforo e cálcio. É composto por muitos antioxidantes que ajudam a fortalecer o sistema imunitário. Ajuda no processo de emagrecimento, no controlo da tensão alta e colesterol e ajuda no cérebro e sistema nervoso.

Diz-se na Colômbia que se tiver problemas de fígado ou as defesas mais em baixo, esta fruta pode ajudar. Recomendam que se consuma durante 15 dias e de preferência com o estômago vazio devido às suas grandes capacidades medicinais.

2 – Lulo

lulo cortado a meio e copo com sumo de lulo

Visitares a Colômbia e não comeres Lulo, é qualquer coisa como ires a Roma e não veres o Papa… O Lulo é também conhecido por “naranjilla”, e é muito consumido também no Equador e Panamá. Pode ser plantado em pequenos vasos no chão ou na parede, fazendo um efeito muito bonito.

É um fruto muito digestivo, que ajuda a regular os intestinos. Além disso, é conhecido pelas propriedades hidratantes e diuréticas, pois a polpa é composta por 87% de água. É também rico em cálcio, vitamina C, estimula a produção de colágeno, a absorção de ferro e fortalece o sistema imunitário.

Tem um sabor ácido e doce, e é muito usado em sumos, picolés ou coquetéis com álcool. No início pode parecer muito azedo (há quem compare o sabor ao da lima), mas vais gostar, é muito refrescante e sacia a sede.

Tens de experimentar beber o “jugo de lulo”, e depois diz-nos o que achaste.

3 – Zapote

varios zapotes numa cesta

Diz-se que não é das frutas mais bonitas por fora mas, na verdade, o que importa é o interior, e esse é delicioso. A casca é castanha e dura, mas a polpa é suculenta e adocicada, e no interior tem uma semente grande com fibras, e por isso deve ser comido como a manga. O sabor faz-nos pensar numa papaia, mas menos doce.

Existem vários tipos desta fruta: Zapotes (zapotáceas); Chicozapote ou zapotilla (sapotizeiro), Zapote amarelo (canistel), Mamey (P. sapota), Zapote verde (Pouteria viridis), branco Zapote (Casimiroa edulis), Zapote preto (Diospyros nigra), Chapote (texana Diospyros), caqui (Diospyros kaki), entre outros.

Tem uma série de benefícios para a saúde: ajuda a uma boa digestão, rico em vitamina A (um zapote preto proporciona 410I de vitamina A por 100 g deste fruto), rico em potássio (350mg), fortalece os ossos e os dentes, protege a saúde cardiovascular, ajuda na perda de peso, na anemia e fortalece o sistema imunitário, sendo um bom anti-inflamatório.

Pode ser consumido em sobremesas, compotas, gelados ou em sumos (sim, a Colômbia é conhecida pelas centenas de sumos que tem em todo o lado).

4 – Granadilla

granadilla partida a meio

Uma fruta da família do maracujá (é maior e mais alaranjada que o maracujá) muito comum na Colômbia (podes encontrá-la à venda em todas as esquinas, e a um preço muito barato). Tem propriedades antioxidantes e ajuda a regular o sistema digestivo. Tem uma função diurética, e é rica em ferro, Vitamina B e C.

Se já viajaste pela Madeira, talvez já tenhas visto esta fruta. Na nossa ilha é chamada de maracujá-pêssego e é igualmente deliciosa, com aquele travo levemente ácido natural do maracujá. A polpa é transparente e gelatinosa. Podes comer esta fruta à colherada, como sobremesa ou mesmo no pequeno-almoço, desde que dês asas à imaginação.

Mas talvez na Colômbia seja uma fruta mais apreciada. Sabias que a Granadilla é um superalimento para as crianças colombianas? Devido às suas propriedades de regulação do sistema digestivo, não irrita o estômago e hidrata, graças à grande quantidade de água que contém.

5 – Uchuva

cesta com uchuvas ou fisalis em cima de uma mesa

É uma fruta pequenina, redonda, que vem envolvida numa folha fina e seca, em forma de balão. Provavelmente já conheces esta fruta como “physalis” ou ‘’fisalis’’. É uma fruta cara, em muitos sítios, mas não na Colômbia, onde se comem uchuvas como se fossem uvas ou então utilizam-se em saladas, como decoração de bolos e tortas ou em molhos para saladas ou carnes. Há quem a consuma enquanto está a degustar vinho, para cortar o gosto.

A uchuva é doce, mas tem um toque ácido. É rica em vitamina A, B e C, fibra, potássio, fósforo, ferro e zinco. Tem propriedades anticancerígenas e antioxidantes. Portanto, são só boas razões para experimentares estas “mini uvas’’.

 

6 – Pitaya amarela

varias pitaias abertas e fechadas dentro de um cesto

Muitos apelidam-na como a “mãe das frutas exóticas” e há 3 variedades: a Pitaya branca (Brasil); a Pitaya rosa (Brasil) e a Pitaya amarela, que tem origem no país das cores e dos sabores, a Colômbia. Podes também encontrá-la no outro lado do mundo, no Sudeste Asiático, onde lhe chamam de “Dragon Fruit”, pela sua crosta particular.

É doce, refrescante e é ideal para comer às colheradas, mas come com moderação, porque a Pitaya é rica em fibras e conhecida pelas suas propriedades digestivas e laxantes. Além disso, também é muito usada também para decorar saladas, para sumos ou sobremesas.

Além de ser rica em fibras, a Pitaya contém muitos antioxidantes, ácido ascórbico, fenóis e minerais, como o cálcio, fósforo e ferro. É rica em vitamina C e B. Ajuda na proteção do sistema imunitário, na produção de glóbulos e na redução do colesterol. Tem propriedades tão boas, que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou o seu consumo.

 

7 – Borojó

borojo partido a meio com colher de madeira

O Borojó é uma fruta originária da região do Pacífico (Departamento de Chocó) e muito utilizado na Colômbia, mas começa a ser famoso também noutros países, principalmente pelas suas propriedades afrodisíacas. Sim, é verdade. Segundo várias pesquisas, o Borojó melhora o desempenho sexual. E a famosa preparação do sumo deste fruto com leite e açúcar ganhou o título de “Viagra Natural”.

Tem uma cor verde e fica castanho quando está mais maduro (está maduro quando cai no chão e colhe-se manualmente). A polpa é também mais castanha e um pouco ácida. Tem cerca de 90 a 600 sementes por Borojó.

É consumido, principalmente, em sumos, doces, compotas ou até no vinho. É rico em cálcio, ferro, fósforo e vitamina C. Tem um alto nível de aminoácidos, o que ajuda a nutrir o corpo.

A polpa é também usada como gesso para curar feridas, para fazer máscaras para a pele oleosa ou para fazer massagens capilares.

 

8 – Guanabana / Graviola

graviolas numa cesta de palha e sumo de graviola num copo

É uma fruta com um aspeto muito peculiar e tem um sabor também diferente de tudo aquilo que já provaste… Imagina uma mistura de lima, morango e banana; isto talvez seja o mais parecido com o sabor da Guanabana. Muitas pessoas preferem o sumo desta fruta, ao invés de a comer de forma natural, contudo, aconselhamos-te a experimentar cortá-la ao meio, já madura, e comer com uma colher. As folhas podem ser consumidas em chá; as sementes podem servir como repelente de insetos, ao espalhá-las na pele e, imagina, podes usar a água das folhas como tratamento para os piolhos. Nestes países selvagens e exóticos tudo é aproveitado e, realmente, parece funcionar.

É conhecida por ter propriedades anticancerígenas e é utilizada há mais de 40 anos com este fim medicinal, nos Estados Unidos da América, Europa e Ásia. Mas, além disso, é rica em potássio, fósforo, ferro, cálcio, vitamina A, B e C.

 

9 – Curuba

monte de curuba empilhadas e fruta aberta em cima de um prato

Parece uma banana (direita e com pontas curvas) mas é um maracujá disfarçado e há inclusive quem lhe chame de maracujá-banana (Como, na Madeira). Mas há outras pessoas que dizem que parece um pepino por fora… Talvez seja mais fácil olhares e veres o que te faz lembrar esta fruta, que é consumida desde as épocas pré-coloniais. Apesar de ser muito famosa na Colômbia, a Curuba é originária da Nova Zelândia. E sabias que aqui a Curuba é misturada com aguardente?

A sua polpa é cor-de-laranja, com sementes laranjas e pretas comestíveis. É ligeiramente ácida (principalmente se não for colhida no tempo certo) e arriscamo-nos a dizer que tem um sabor idêntico ao maracujá. Pode ser consumido durante todo o ano, e encontras em qualquer mercado. Já viste que é fácil encontrares o que quer que seja na Colômbia… Normalmente, consome-se esta fruta como bebida, porque é muito refrescante, mas podes comer à colher.

A Curuba é rica em cálcio, ferro, fósforo, sódio e vitaminas A e C. Contém também um elevado teor de água, funcionando como um diurético natural.

 

10 – Feijoa

feijoas abertas e fechadas e empilhadas

A Feijoa, originária dos planaltos do sul do Brasil, é uma fruta que deve o seu nome a João da Silva Feijó, antigo diretor do Museu de História Natural de São Sebastião, no Brasil; e aqui é também conhecida como a “goiaba do Brasil”.

É muito parecida com a goiaba, mas conseguimos distingui-las devido ao seu aroma – é único. Tal como diz o nome em inglês, pineapple guava, o sabor, um pouco ácido e com um ligeiro toque a terra, está entre a goiaba e o ananás. É consumida crua, com casca. Mas, além disso, podes também prová-la sob a forma de comportas, gelatinas, sumos ou nas saladas.

É uma fruta muito nutritiva. É pobre em calorias e ricas em minerais como cálcio, iodo, ferro e manganês e em vitaminas do complexo B e vitamina C. É uma fruta que ajuda no processo de emagrecimento e pode retardar o envelhecimento.

 

Esperemos que já estejas com água na boca, pois nós estamos! Mas ainda com mais vontade de experimentar estas frutas todas, só podes estar a desejar conhecer este país o mais rápido possível! E devias. Vais surpreender-te. Fica atento/a, pois nós ainda temos muito para te contar sobre a Colômbia!

Autores: TravelB4Settle

 

Conteúdo Relacionado