Como consequência do novo vírus que foi descoberto em Wuhan, e da emergência de saúde pública internacional, muitos viajantes querem saber se devem cancelar as suas férias por causa do coronavírus.

Embora seja verdade que ainda existem muitas perguntas não respondidas sobre o coronavírus (2019-n-CoV), os estudos recentes e a rápida resposta e gestão feita pelas autoridades sanitárias, não só a nível estatal, mas também a nível global, significam que desta vez a epidemia foi detetada mais cedo, tendo sido tomadas medidas preventivas mais diligentes do que em ocasiões anteriores. Não podemos esquecer que 2003 e 2012 quando perseguimos outros vírus como o SARS-CoV e o MERS-CoV que graças aos nossos cientistas foram controlados.

globo, passaporte e aviao

Recomendamos calma e tranquilidade. Atualmente, as únicas áreas de risco para viajar são aquelas onde se originou e espalhou o vírus, principalmente na província de Hubei.

Além disso, a China estabeleceu medidas de quarentena na área afetada para controlar a epidemia, e também fechou algumas atrações turísticas noutras regiões. Isto, como já foi observado, não impediu que pessoas de vários países fossem infetadas, seja porque estiveram na China ou porque estiveram em contacto com viajantes vindos da China.

Se vais viajar, mas continuas com dúvidas, o melhor que tens a fazer para te tranquilizares é descobrir se a companhia aérea com a qual vais voar ou o aeroporto de destino têm algum tipo de restrição aérea. Também é aconselhável consultar o site do Ministério dos Negócios Estrangeiros para saber se deves ou não viajar para esse país neste preciso momento.

mapa da china com provincia de wuhan

Atualmente, não há restrições de viagem para outros países além da China, mas há algumas medidas que foram adotadas, como no caso dos Estados Unidos, que negam temporariamente a entrada a estrangeiros que tenham viajado para a China nos 14 dias anteriores à sua chegada ao país. Da mesma forma, embora não oficialmente, em certas áreas de alguns países, os viajantes estão a encontrar controlos de saúde mais exaustivos para aumentar as medidas de prevenção, especialmente em pequenas ilhas, uma medida que só deveria preocupar aqueles que apresentam sintomas.

A própria OMS (Organização Mundial de Saúde) opôs-se às restrições das viagens por culpa do novo coronavírus 2019-nCoV: “Não recomenda restrições à circulação de pessoas nem ao comércio”.

rapaz com mascara e imagens de coronavirus

O que é um coronavírus?

É uma família bastante extensa de vírus que geralmente só afeta animais, como o coronavírus felino ou canino, embora alguns tenham a capacidade de se espalhar dos animais para os humanos, como neste novo caso descoberto em dezembro de 2019. Estes vírus geralmente produzem quadros clínicos respiratórios, que vão desde uma simples constipação comum até uma doença respiratória mais grave.

Como é que o vírus se espalha?

Normalmente espalha-se pelo ar e em distâncias curtas de menos de 1-2 metros, através de alimentos ou por contato direto com uma pessoa infetada, que é a maneira mais difícil de espalhar o vírus, segundo os especialistas. A propagação de pessoa para pessoa ocorre através do contacto próximo com as secreções respiratórias produzidas por uma pessoa infetada ao tossir ou espirrar, sendo estas secreções transferidas pela boca, nariz ou olhos de uma pessoa saudável.

A OMS estimou que o período de incubação é entre dois e catorze dias (desde o contacto até ao início dos sintomas).

imagens do virus e pessoa com mascara

Sintomas mais comuns de coronavírus

  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Sensação de falta de ar
  • Dor de garganta

Não precisas de ficar alarmado se tiveres sintomas deste tipo. Nesta fase do inverno são facilmente confundidos com sintomas semelhantes aos da gripe.

Os casos em que é necessário dar especial importância a este tipo de sintomas são: se tens esta sintomatologia e viajaste para a China ou estiveste em contato com algum viajante que veio recentemente do país asiático, e mais concretamente do epicentro do início do surto epidémico. Se for este o caso, deves ir a um centro de saúde próximo.

Sintomas mais graves

  • A infeção pode causar pneumonia
  • Dificuldade significativa para respirar
  • Falha renal

Os casos mais graves causados por este vírus, geralmente ocorrem em idosos ou em pessoas com doenças cardiovasculares e respiratórias crónicas de base, bem como em pessoas imunossuprimidas (baixas defesas).

A taxa de mortalidade por coronavírus 2019-n-CoV é de 2%, uma taxa que, em comparação com outras doenças, não é excessivamente elevada.

rapaz constipado a assoar o nariz

Medidas de prevenção e outras infeções respiratórias

Estas medidas são as mesmas que são necessárias para a prevenção da gripe:

  • Muito importante: lavagem frequente das mãos com água e sabão
  • Desinfeção das mãos com solução hidroalcoólica
  • Se tossires ou espirrares, cobre a boca e o nariz com o cotovelo dobrado ou com um lenço
  • Deita fora o lenço usado imediatamente e lava as mãos
  • Evita o contacto com pessoas que tenham sintomas respiratórios como febre, tosse, espirros… mantendo uma distância de pelo menos 2 metros
  • Evita o consumo de produtos animais crus ou mal cozidos
  • Se visitares mercados de animais vivos em áreas onde foram relatados casos de novos coronavírus, abstém-te de tocar em qualquer animal vivo e/ou superfícies em contacto com tais animais

grafico sobre como lavar as maos corretamente

O que fazer se suspeitares de um coronavírus?

Se tens febre, tosse ou dificuldades para respirar, a coisa certa a fazer é: colocar uma máscara, procurar atendimento médico o mais rápido possível e informar o teu médico sobre os lugares para onde viajaste nos últimos dias.

Esperamos que este artigo sobre o coronavírus tenha dissipado todas as tuas dúvidas e te ajude a continuar com a viagem que preparaste. E, se estiveres mais do que determinado a ir, não te esqueças de pedir o visto para entrar na China pelo menos 3 semanas antes da tua viagem.

O que deves saber antes de fazeres o teu seguro de viagem

A opção de fazer um seguro de viagem para visitar qualquer ponto do mundo é sempre uma ótima opção, e ainda mais nestes casos excecionais. Se ainda não sabes qual é o melhor seguro para viajar para a China ou qualquer outro país na Ásia, temos a resposta. Para uma cobertura completa, recomendamos que escolhas o nosso seguro de viagem para mochileiros com cancelamento, assistência médica e repatriação.

Se só queres ter a opção de cancelar a viagem, escolhe o nosso seguro de cancelamento da IATI. Mas antes de fazeres qualquer um destes seguros, é muito importante que tenha em conta a seguinte informação:

  • O seguro não cobre custos de cancelamento se tiveres decidido visitar a China depois que o alerta de epidemia de coronavírus tiver sido declarado. Neste caso, é uma preexistência.
  • O seguro não cobre taxas de cancelamento se a tua viagem à China estiver agendada antes da emissão do alerta de surto, mas começará a médio ou longo prazo. Neste caso, entende-se que o alerta será retirado antes de iniciares a tua viagem.
  • O seguro cobre os custos de cancelamento se a tua viagem estiver programada para qualquer outro país, onde não há alerta de epidemia, mas, no momento da viagem, é declarada e impede que faças a viagem.
  • Se tiveres feito um seguro com a IATI e estiveres imobilizado na China, a cobertura de assistência médica será estendida até à data de regresso.

Conteúdo Relacionado