Um dos valores da IATI, empresa líder em seguros de viagem online, é a promoção do turismo sustentável, acreditamos que podes conhecer o mundo e deixar um impacto positivo nos locais visitados. A sustentabilidade pode parecer um assunto complexo mas na realidade é o único caminho a seguir se queremos continuar a viajar e conhecer lugares autênticos a longo prazo. É bem mais simples do que pensas. Resumidamente, vai-te permitir viajar sem comprometer o futuro das culturas e dos espaços que visitas e nós vamos-te mostrar como.

Viajar de forma sustentável e explorar o mundo e viajar de forma consciente

Aproveita os transportes públicos e caminha bastante
rapaz prestes a apanhar o autocarro

Explorar o mundo, no sentido de te deslocares a outro local, implica, na maioria das vezes, uma viagem de avião (o que contribui para o aumento da emissão de poluentes). Sendo que essa é, por vezes, inevitável, podes compensar com as deslocações internas: transportes públicos, deslocação a pé, bicicleta ou mesmo à boleia; são opções mais baratas, divertidas e genuínas. Nada melhor do que utilizar os mesmos meios que os locais para mergulhar na cultura de uma cidade, certo?

Apoia a economia e produção locais

 bancada de frutas e legumes

Alojamento, comida, lembranças, passeios, actividades, etc. São inúmeras as áreas e momentos onde vais necessitar de consumir ou pagar por um serviço durante a tua viagem. Se optares por grandes cadeias de hotéis ou restaurantes, por produtos importados ou empresas internacionais, o lucro gerado pelo turismo nessa região nunca irá beneficiar a comunidade ou a economia locais.

Neste sentido, não será possível investir em infra-estruturas, postos de trabalho, cultura ou produção local e esse lugar perderá, eventualmente, o que te levou a visitá-lo. Aposta em comida e estabelecimentos locais e familiares, artesanato típico e actividades com guias ou profissionais da região, vais ficar surpreendido com o que vais ver e experienciar para além do produto ou serviço que estão a vender.

artesanato tipico exposto numa loja de mercadoTorna-se mais difícil presenciar tradições, por exemplo, num hotel gigantesco do que numa guesthouse gerida por uma família que lá vive; mais complicado entender como se faz aquela peça de artesanato se não vires a madeira ganhar forma na frente dos teus olhos ou a lenda daquela montanha se alguém que a conhece desde sempre não te a contar emocionado.

Aposta em lugares e iniciativas sustentáveis 

 plantas em crescimento e moedasDesde restaurantes a comércio, tenta que o investimento que vais fazer (se possível ou pelo menos uma vez durante essa viagem) possa beneficiar uma causa específica que contribui para o desenvolvimento local ou social. Existem sítios que doam parte do lucro a instituições, outros que apenas utilizam produtos de agricultura local ou espaços que vendem produtos fabricados por pessoas que se encontram em alguma situação de desvantagem ou recuperação. Em alguns casos implica gastar um pouco mais do que tínhamos pensado mas em outras situações o valor é o mesmo, como é o caso de lembranças feitas por locais.

Diminui o desperdício e lixo deixado

kit de principiantes para fazer compras sem desperdicio

Em alguns países de continentes como a Ásia, o plástico, a qualidade da água e a poluição dos mares são problemas em grande escala e podes adotar alguns hábitos e rotinas que vão fazer de ti um viajante mais consciente. Neste artigo da Iati, podes ler mais sobre os passos a seguir para viajar sem plástico e diminuir o desperdício deixado nos locais que visitas que, muitas vezes, não estão preparados para tal.

Não participes em atividades onde exploram animais

passeio de elefante pela selva indonesiaDesde elefantes, a cobras passando por tigres, são inúmeros os animais que sofrem física e psicologicamente para transportar e divertir pessoas ou mesmo fazer parte duma mera fotografia. Certifica-te que os santuários ou centros de reabilitação que visitas priorizam o bem-estar dos animais e os seus direitos em detrimento do lucro. Existem ecossistemas inteiros a serem afetados pela interferência humana, animais que deveriam ser migratórios e se instalam num lugar porque lhes facultam comida, por exemplo. A melhor forma de protesto é não contribuir para o crescimento destas actividades.

Não compres lembranças a crianças

criança de costas a vender pulseirasMuitas crianças são vistas como fonte de rendimento para as famílias e muitos viajantes têm a melhor intenção ao fazer a compra de uma pulseirinha. A questão é muito complexa uma vez que, em muitos casos, é a pobreza ou desigualdade social que leva as famílias a vender nas ruas. No entanto, ao comparar algo que as crianças vendem na rua ou mesmo a dar dinheiro, estamos a alimentar esta situação: se a criança traz dinheiro para casa, a ida à escola fica para segundo plano. Tal como a exploração de animais, a melhor solução é não contribuir para estas atividades.

Evita épocas altas e alturas de muito movimento

 vista aerea da praia de salou sobrelotada

Viajar em época baixa ou visitar um espaço fora das horas de ponta, pode ser benéfico para todos. Ninguém gosta de dispensar uma hora numa fila para ver um templo no Camboja, esperar horas para visitar uma catedral, pagar rios de dinheiro por uma viagem em Agosto ou partilhar as águas cristalinas de Menorca com meio mundo… Tudo isto são realidades que podes evitar se tentares viajar em alturas menos óbvias; por exemplo, Abril e Maio são ótimas alturas para explorar as ilhas europeias: tempo agradável e a praia quase só para ti.

Para além de evitar multidões, estás a contribuir para que o espaço em questão não fique sobrelotado e os seus recursos possam ser melhor geridos. Se gostas de aventuras e surpresas, viajar para destinos menos conhecidos é a solução ideal, reserva o teu seguro preferido e lança-te à descoberta!

 

Autora: Janete – Flearound

Relacionados